Adaptação e plasticidade fenotípica

O termo “seleção natural” foi aceito unanimemente pela comunidade científica já a muito tempo. Podemos então dizer, que os organismos evoluem conforme as variações do seu meio (temperatura, salinidade, PH, etc), e assim se adequando conforme essas variações, e os que não tiveram a capacidade de se adaptar se extinguem. Mas a questão é: como que os organismos se adaptam ao ambiente em que estão situados?

Para esta pergunta teremos duas respostas: adaptação genética e plasticidade fenotípica.


Adaptação genética

A adaptação genética é um conjunto de alterações herdadas nas características que favorecem a sobrevivência de uma espécie em um determinado ambiente. Os organismos se adaptam por conta da sua mutação genética.

Quando dizemos mutação genética, significa que todos os organismos, serão diferentes geneticamente, inclusive os de mesma espécie.

Por exemplo: um vírus ataca uma população de uma espécie de peixes. Muitos dos peixes daquela espécie poderão morrer por conta do vírus, mas alguns deles conseguirão criar imunidade sobre o vírus. Portanto, estes foram selecionados pela natureza como os peixes mais resistentes da espécie, e irão passar essa resistência para as próximas gerações do peixe, e sendo assim, podendo perpetuar sua espécie.

Podemos notar grandes diferenças dentro da mesma espécie. Vamos adotar características

Operários – Tarsila do Amaral

humanas, padrões dos povos indígenas, africanos e europeus.

Percebemos que logo de cara conseguimos imaginar cada um deles com grandes diferenças: Indígenas com pouca pelagem no corpo por conta do grande contato com a água, os africanos com tons de peles mais escuros por conta do grande contato com o sol, e os europeus com pelagem densa por conta do frio. Ou seja, as variações do local diferenciaram os seres humanos de regiões diferentes para se adequar ao seu meio vivente.


Plasticidade fenotípica

Plasticidade fenotípica é a capacidade de expressar características morfológicas, fisiológicas e/ou comportamentais, em resposta as condições ambientais, em um único fenótipo. É muito fácil associarem a plasticidade fenotípica a evolução, já que ela é dependente das condições ambientais. Já na visão tradicional, por um ambiente não ser um efeito genético ele não tem uma influência direta na mudança evolutiva. Porém, possui uma grande diferença de características, mesmo que limitada pelo o que o genótipo pode expressar.

Ou seja, um único genótipo é capaz de mudar características físicas,  químicas, fisiológicas e/ou morfológicas em resposta das variações ambientais,

 A evolução da plasticidade fenotípica adaptativa levou ao sucesso de organismos em novos habitats e potencialmente contribui para a diferenciação genética e especiação. Tomadas em conjunto, as respostas fenotípicas nas interações ambientais representam modificações que podem levar a mudanças recíprocas no tempo ecológico, padrões comunitários alterados e potencial evolutivo expandido das espécies.

Um tipo clássico de plasticidade fenotípica é o polifenismo, que consiste em  fenótipos descontínuos influenciados pelo ambiente. O da raposa do ártico, é um grande exemplo de polifenismo, onde sua plasticidade adaptativa consiste na mudança da pelagem dependendo das estações do ano. No verão, sua peagem fica acinzentada ou acastanhada, fazendo com que se camufle entre as rochas. E no inverno, sua pelagem muda para um branco muito claro, permitindo se camuflar na neve.


Coevolução entre espécies

A interação entre espécies  e plasticidade fenotípica, cada vez mais tem gerado interesse entre ecologistas. O estudo de fenótipos responsivos de um organismo para outro organismo, é definido como uma investigação de coevolução. Biologistas também possui uma curiosidade crescente neste assunto, porém nesse caso, não se trata da interação entre espécies, e sim, em um estudo de uma espécie levando em conta a variável da outra espécie.

No entanto, na natureza é bastante provável que os indivíduos interagentes estejam continuamente respondendo aos seus parceiros de interação de forma recíproca ao longo do tempo ecológico. Uma interação recíproca implica em uma resposta de “vai-e-vem em termos de mudança fenotípica entre os indivíduos.Um exemplo de coevolução é a interação predador-presa, onde o predador procura criar ferramentas para se especializar em caçar a presa, e a presa procura se especializar em não ser caçada. E por causa disso, cada vez que um deles cria uma nova maneira de se beneficiar, o outro também precisará criar novas maneiras de se favorecer.

Quando um herbívoro começa a se alimentar muito de uma determinada espécie de planta, e o herbívoro se procria mais e mais, e começa a se alimentar mais ainda da planta, até chegar num estado crítico, haverá apenas duas saídas para a planta, ou se extingue totalmente, ou por mutualismo, se especializa e perpetua sua espécie. Digamos que a planta se especializou em veneno. O herbívoro precisará de alguma outra forma de se alimentar, se adaptar de alguma forma, que supere os veneno de sua presa. Então o predador, ao longo do tempo, e muita seleção, se especializou em suportar o veneno em seu organismo. E assim por diante, onde cada um dos dois vão criando novas maneiras para se perpetuar. Muitas interações antagônicas ou mutualistas, incluindo aquelas que não são comportamentais, podem envolver fenótipos recíprocos.


Referências:

http://www.uel.br/pessoal/ambridi/Bioclimatologia_arquivos/AdaptacaoeAclimatacaoAnimal.pdf

https://ai2-s2-dfs.s3.amazonaws.com/50b1/e0b4ad8fa94b8231b3d83ccac2d6929d23d4.pdf

Anúncios

#6 Wild pic

 

A língua dos felinos é longa e flexível. Possuem uma superfície áspera, constituindo pequenas saliências inclinada para dentro (papilas). Eles possuem um paladar muito sensível, podendo assim reconhecer a qualidade do alimento que está prestes a comer. Por causa disso gatos domésticos costumam ser tão enjoados, só comendo o que realmente os agrada.

9096a32a-c121-434b-ad24-8d12e5515d42.jpg

Estes pequenos filamentos tem inúmeras funções, assim como:

  • Lavar, pentear seus pelos. No caso de felinos com uma longa pelagem, eles acabam ingerindo o próprio pelo, por isso as bolas de pelo, que são eliminadas naturalmente por vômitos.
  • Retirar a carne dos ossos de suas presas

 

 

Wild Walk

Em 4 de Julho, uma nova experiência ao ar livre estará disponível ao público quando Wild Walk abre.

O sistema de trilha experimental construído a partir de pontes é situado a cerca de 40 pés (12 metros) acima do solo e está ancorada na copa das árvores da floresta Adirondack em Upstate New York. Tem como objetivo oferecer aos visitantes uma perspectiva completamente nova da natureza – do ponto de vista dos animais.

O conceito é projetado em torno da ideia de que, enquanto você anda a pista, existem inúmeras oportunidades para contemplar e encontrar um mundo novo.

A experiência selvagem Caminhada inclui uma casa-galho de quatro andares e pontes balançando, uma teia de aranha onde as pessoas podem sair e chances para sentar e observar a floresta abaixo. Há também um ninho de águia em tamanho real no ponto mais alto onde os hóspedes podem pousar.

#5 wild pic – mosca escorpião

Esse curioso animal vem da ordem Mecoptera, mais especificamente da família Panorpidae. Esse formato de cauda excêntrico como as caudas venenosas de um escorpião são um tanto quanto assustador. Como se um escorpião tivera evoluído e criado asas.

Felizmente o mundo não é tão cruel a esse ponto, o animal em questão não passa de uma inofensiva mosca, e sua terrível cauda não é nada mais que um órgão genitor masculino.

#4 wild pic – cabras montanhosas

Cabras montanhosas são exímias escaladoras de montanhas. Para nós, seres humanos, pode até parecer perigoso e arriscado, mas suas patas são adaptadas para conseguir se sustentar. Esse estilo de vida tem sido bem sucedido, pois nenhum predador em potencial se arrisca a essa façanha, e conseguem achar comida nos lugares mais inaccessíveis.

Os principais caprinos especialistas em alpinismo são a cabra-da-montanha (Oreamnos americanus) e o íbex-alpino (Capra ibex).

 

#3 wild pic – Leopardo-das-Neves

Felino em extinção que habita as grandes altitudes da Ásia central, como Tibete, Nepal, Índia, Paquistão, Himalaia e o monte Everest. Sua pelagem é uma das mais bonitas entres os felinos, e é útil para se camuflar na neve e caçar suas presas com mais facilidade.

Na natureza, não existem mais do que seis mil leopardos-das-neves, porque seus ossos, peles e alguns órgaos são usados na medicina asiática. e raramente são vistos

leopardo das neves.png

#2 wild pic – raposa do ártico

A Raposa do Ártico  apresenta a mais fantástica integração com o meio hostil, onde vive em temperaturas que chegam aos -50º C. Sente-se completamente à vontade e adaptada tanto no verão quanto no inverno e consegue criar os filhotes que, aliás, não são poucos com um sentido de família altamente desenvolvido.

Seu segredo de sobrevivência é que durante o verão há maior quantidade de alimentos, e a raposa armazena comida em seus esconderijos para ter seu alimento garantido no inverno. Além disso, seu estômago digere qualquer presa, e está apta a enfrentar longos períodos sem comer sem problemas.

No verão, sua pelagem fica acinzentada ou acastanhada, o que lhe permite ficar invisível entre as rochas. E no início do inverno sua pelagem muda de cor. A ponta de sua cauda começa a ficar branca, e isso vai se estendendo por todo seu corpo, que no caso é uma ótima camuflagem.