Adaptações dos mamíferos marinhos

Ao contrário do que muitos pensam, mamíferos marinhos não são peixes. Diferentemente dos peixes, eles dependem do ar atmosférico para respirar, mas também dependem dos oceanos, mares e rios para a sua existência.

Bom, levando em conta essas características, então os ursos polares se encaixam nesse grupo, uma vez que se alimentam de animais marinhos para sobreviver, certo? Certo. São quatro ordens de mamíferos marinhos. Fissípedes (mamíferos marinhos com os dedos separados), que incluem o urso polar e duas espécies de lontra.

Seguindo a linha evolutiva encontramos os pinípedes, animais descendentes de semelhantes de ursos e focas verdadeiras. Por exemplo leão marinho, foca e lobo-marinho. Seus membros foram adaptados para a vida marinha, transformando-os, ao logo da evolução, em nadadeiras. Essa evolução atrapalha na mobilidade em terra firme, entretanto no mar suas presas são mais suscetíveis.

 

Sirenídeos, mamíferos providos dos seres humanos, cujo seu nome comum usado por pescadores é sereia. Brincadeira. Diferentemente das ordens anteriores, eles são mamíferos marinhos herbívoros. São grandes, de corpo fusiforme, e seus membros posteriores atrofiados, servindo de nadadeira. Conhecidos como peixe-boi e vaca-marinha. Essa ordem vive a vida toda na água e, por isso, teve várias adaptações que possibilitaram a sua sobrevivência ao meio marinho, mais comumente em água doce.

E a minha ordem favorita; os cetáceos. Englobando baleia, botos e golfinhos.

cetaceos.png

Baleia cinzentas e golfinhos

Exímios nadadores, conseguem nadar em grandes profundidades e concentram altas quantidades de oxigênio para passar um bom tempo longe da superfície, conseguindo renovar até 90% do volume pulmonar (humanos só renovam 10%).

 A narina fica na parte dorsal, atrás da cabeça, e quase não tem sensação olfativa. Andam em grandes bandos, vivendo em sociedade. Tem uma notável comunicação a qual biólogos chamam de “canto”. Algumas espécies de baleias podem se comunicar uma com as outras numa distância de 100 quilômetros ou mais.

Além de tudo, nesta mesma ordem, existe o maior animal do mundo: a baleia-azul. Podem chegar a 30 metros de comprimento e 500 toneladas.

 

 

Referência:

Palazzo Jr., J. T. & Both, M. C. 1988. Guia dos Mamíferos Marinhos do Brasil. Editora Sagra, Porto Alegre, p. 15,16,17.

Hetzel, B. & Lodi, L. 1993. Baleias, Botos e Golfinhos. Guia de Identificação para o Brasil. Editora Nova Fronteira, Rio de Janeiro,

Anúncios

2 comentários sobre “Adaptações dos mamíferos marinhos

  1. […] Leia também:       Do gelo ao fogo – Tartígrado       Adaptações dos mamíferos marinhos […]

    Curtir

  2. Daniel Marildo da Silva

    eu amei isso sou aluna do colegio elcana e o meu nome e sophia e vc e eu vamos fazer esse mundo um lugar melhor com a ciecia

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s